Archive for the Unidade / Pluralidade Category

SOBRE PROTESTOS E BOATOS

Posted in Cidadania, Corrupção, Cultura, Inclusão Social, Mobilidade Urbana, Movimento Social, Mudança Social, Unidade / Pluralidade with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 21/06/2013 by ehlsinore

Tenho visto e lido, amigos à direita e à esquerda, falarem de golpe, de algo maquiavélico por trás dos protestos populares destes últimos dias. Aliás, isso começou na direita e, agora, está num crescendo à esquerda. Acusações na maioria mútuas, a direita acusando a esquerda de golpe, a esquerda fazendo o mesmo em relação à direita. Todos esses discursos podem até manifestar, da parte de alguns, um desejo íntimo, mas da maioria é resultado do clima de boataria que ocorre quando não se tem respostas seguras, quando não se compreende adequadamente o que ocorre.

É a incerteza diante da novidade que irrompe diante de nossos olhos e debaixo de nossos narizes. O não se saber explicá-la porque se teima em usar o mesmo esquema interpretativo surrado e gasto que não dá conta mais da realidade. Novidade que já se manifestava durante algum tempo, e muitos queriam não perceber ou desacreditar, mas cuja erupção acabou por ocorrer nestes dias.

Para mim, visceralmente centro-esquerda e que não sigo a cartilha ideológica de grupo algum, sou o meu próprio cacique e de mais ninguém, democrata radical que aposta na inventividade popular e nas formas de democracia direta, é apaixonante vivenciar o que estamos a viver nestes dias. A História é sempre surpreendente, volta e meia resolve aprontar com quem imagina saber de tudo e deixa de prestar atenção aos acontecimentos, chacoalhando a realidade social.

Sobre os boatos, cumpre esclarecer: as Forças Armadas estão léguas de distância de desejar irem além de sua missão constitucional e intervir nos rumos da política nacional. Entre outras razões, estão escaldadas da vez derradeira que assim procederam e do ônus que têm de carregar como se o regime implantado em 1964 fosse uma ação exclusiva militar e não resultado de amplo espectro social. Mais um detalhe: golpe algum num país da dimensão e da importância do Brasil seria engendrado sem apoio externo.

Ora, o cenário internacional não favorece adoção de regimes ditatoriais. Este é um dado fundamental: a comunidade internacional, muito ao contrário, contestaria qualquer rumo tomado por nosso país nessa direção. Num mundo globalizado isso conta mais que ontem. Observem, não vemos nenhuma grande liderança política externando receio de golpe, pois sabe não há qualquer possibilidade nessa linha. Fala-se tanto em contexto, mas este importante dado é deixado por quem embarca na canoa furada golpista.

A respeito da dinâmica do presente movimento, para quem não sabe: o povo não tem dono! O protesto é resultado de uma insatisfação generalizada com os rumos do país, de um grito preso na garganta que vinha sendo balbuciado em face do desprezo escancarado das nossas elites políticas pelas necessidades de nosso país e pela realidade do povo.

Os vinte centavos foram o estopim, grupinho algum é dono do movimento, incluindo em São Paulo capital o MPL, sigla pela qual atende o Movimento Passe Livre. Da mesma forma que os vinte centavos foram o estopim, na pauliceia o povo pegou carona na convocação deles e os ultrapassou. O MPL só apareceu porque a nossa classe política acostumada aos velhos esquemas e chavões precisava de uma liderança como interlocutora. Na internet a convocação surge de anônimos e isso incomoda os iluminados vanguardistas da esquerda, atemorizam os ressabiados da direita e inquieta as elites governantes que não sabem lidar com a realidade que vem reiteradamente desprezando.

Tais elites governantes tentaram jogar água na fervura com uma muita bem orquestrada redução das tarifas. Para azar delas, num ato falho, tropeçaram nos seus próprios pés ao fazerem um discurso de criança que, tendo de ceder a todo o resto da garotada, insatisfeita com o jogo imposto pelo “dono” da bola, faz birra e lança ameaças de cortes de gastos em áreas básicas.

E então, é sempre no bolso de quem mais paga impostos é que tem de mexer? Nesses anos todos os donos das empresas de transporte ganharam muito além da inflação e, agora, como se os coitadinhos fossem amargar prejuízo têm de ser ressarcidos pelos cofres públicos? E o povo apanha duas vezes, pagando através dos impostos tal socorro e ao deixar de usar esse mesmo imposto nas áreas sociais das quais somos tão carentes? Tudo não passou, ao tentarem posar n foto de bonitinhos,  Srs. Haddad, Paes, Alckmin e demais governantes de uma desavergonhada atitude maquiadora de quem faz e fará uso da caixinha dessas empresas em suas campanhas políticas.

A indignação é contra todos os três poderes, em todos os níveis, incluindo o governo federal intimamente associado à maioria dos executivos municipais e estaduais mancomunados com tais empresas e que, numa política economicamente nada sustentável e irresponsável, atulhou as ruas de automóveis, sem projeto algum para longo prazo.

Portanto é também um movimento de indignação contra o descaso eleitoreiro do governo Dilma-Lula e então, vem o partido da Sra. PresidentE querer ser governo sem ter o ônus de ser governo e posar de oposição nas ruas encenando não ter qualquer relação alguma com os desgovernos do país? E também é contra os governos ditos da oposição, pois participam desse mesmo esquema estrutural corrupto que precisa ser quebrado.

Independente de boas intenções individuais e de acertos pontuais que se possa achar no varejo entre governantes e políticos, a questão é no atacado, é estrutural. Independente da clareza, consciência e coerência que cada um dos manifestantes possa ter (não se pode exigir numa multidão de centenas de milhares que todos exibam o mesmo nível), é um grito que precisava ser dado por quem, de fato, é o dono da bola, o povo.

É a indignação contra essas estruturas e hábitos perversos disseminados entre as nossas elites, seja quais forem as suas cores político-partidárias e ideológicas. O que tudo isso resultará, só os acontecimentos dirão, mas este é o momento do grito de indignação de todo um povo que mal estava conseguindo se fazer ouvir por quem deveria ser o seu representante.

Ontem houve quem dissesse não ser de partido e que, se sentindo perdido como estava, chegava a sentir falta de um partido com comitê central para dizer a ele o que fazer… É este o pior caminho, o de abdicar de nossa autonomia! Ouse ver os sinais do novo, as brumas leves da paixão que vem de dentro, escute, liberte o seu intelecto, arrisque a pensar por si próprio e comparar com liberdade e isenção, sem amarras.

#REDE DE SUSTENTABILIDADE nasce transformar o sistema político brasileiro.

Posted in Eleições, Pensamento Social, Sustentabilidade e Meio Ambiente, Unidade / Pluralidade with tags , on 24/02/2013 by ehlsinore

Conheça as inovações da #REDE DE SUSTENTABILIDADE, o novo partido lançado pela ex-ministra Marina Silva.

REDE lançamento em Brasília

A #rede nasceu para defender a sustentabilidade e transformar o sistema político brasileiro.

Seu estatuto favorece a transparência, a diversidade de pensamento e os processos democráticos internos.

Conheça as inovações que distinguem a #rede de todos os outros partidos hoje existentes.

Prazo de validade – No prazo de dez anos após o registro na Justiça Eleitoral, será realizada uma consulta a todos os filiados eREDE de Sustentabilidade, partido integrantes da #rede a respeito da continuidade da existência do partido.

Mais democracia – A consulta direta, por meio de plebiscito ou referendo, será o instrumento principal de governança da #rede.

Controle externo – A #rede estará sempre ao lado dos núcleos vivos da sociedade. Para isso, receberá críticas e sugestões do Conselho Político Cidadão Nacional, que será composto por militantes de movimentos sociais, representantes de povos indígenas, cientistas e integrantes de instituições de pesquisa.

Renovação – Os parlamentares da #rede poderão ser reeleitos apenas uma vez para o mesmo cargo. Por meio de plebiscito interno poderão ser abertas exceções a essa regra.

Movimentos sociais – Até 30% do total de vagas nas eleições proporcionais serão oferecidas para candidaturas independentes de cidadãos não filiados à #rede, que representam movimentos e causas relevantes para a sociedade.

Muitos doando pouco – O mandato não é do doador, mas do povo. Será estabelecido um teto para doações de pessoas físicas e jurídicas. Não serão aceitas doações de fabricantes de bebidas alcoólicas, armas, cigarro e agrotóxicos.

rede_sustentabilidade_500Transparência – Todos os gastos e todas as doações serão divulgados na internet em tempo real, para o acompanhamento do eleitor.

Ouvidoria cidadã – Serão criadas ouvidorias para manter a #rede sintonizada com as aspirações dos filiados e dos setores sociais que pretende representar. Sempre que necessário, as ouvidorias farão audiências públicas sobre o projeto político da #rede.

Cláusulas Pétreas – Os princípios da pluralidade política, da justiça social, do respeito ao meio ambiente, da defesa das minorias, da função social da terra, da função social da propriedade, da solidariedade, de um partido laico fundado na plena liberdade religiosa e da transparência na gestão pública estão entre as cláusulas pétreas do estatuto, que só podem ser alteradas por quórum qualificado de 2/3 dos filiados.

Cotas – Regimento interno disciplinará a exigência de cotas para negros, ciganos e índios.

http://www.facebook.com/groups/redesustentabilidade1/

REDE vai limpar esse país

Feliz PÁSCOA do Senhor Jesus e de todos nós (Deus Conosco)!

Posted in Dica, Santidade, Senso Religioso, Unidade / Pluralidade with tags , , , , on 08/04/2012 by ehlsinore

XVI Assembleia Nacional do Diálogo Católico-Judaico

Posted in Alteridade, Dica, Diversidade, Educação, espiritualidade, Iniciativas pela Paz, Liberdade Religiosa, Paulo VI, Senso Religioso, Unidade / Pluralidade on 13/10/2010 by ehlsinore

XVI Assembleia Nacional do Diálogo Católico-Judaico / V Encontro Inter-Religioso de Diálogo – EducAção

A reunião marca os 45 anos de publicação da Declaração Nostra Aetate pelo Concílio Vaticano II, documento que revolucionou as relações da Igreja com as demais religiões, em especial a judaica, ao reconhecer que os judeus não foram responsáveis pela morte de Jesus, enfatizar a origem judaica do cristianismo e recomendar o estudo das fontes judaicas.

Uma celebração inter-religiosa marcará a abertura do evento unindo no altar da sinagoga da ARI (Associação Religiosa Israelita) clérigos dos ritos judaico, católico, ortodoxo, protestante, muçulmano, candomblé, umbanda, bahai, budista e espírita.

Concomitante à realização da XVI Assembleia Nacional do Diálogo Católico-Judaico, nos dias 24 e 25 de outubro na ARI e na PUC-RJ (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro), terá lugar o V Encontro Inter-Religioso de Diálogo e Educação para a Paz – EducAção, que visa conscientizar os participantes de que a Educação não se limita ao ensino teórico mas se transmite, também, pela ação.

Como, por exemplo, a experiência “Vizinhos de Portas Abertas” vivida por alunos dos colégios A. Liessen Scholem Aleichem e Santo Inácio, ou a descoberta, pelos alunos do Colégio Teresiano, da diversidade religiosa. Vivências que contribuem para a eliminação de preconceitos quase sempre originados pelo desconhecimento do outro.

O investimento é de R$35,00 e é necessário fazer a inscrição pelo site www.clfc.puc-rio.br/dcj.  Serão conferidos certificados aos participantes.

Locais do evento

Domingo, 24 de outubro: ARI (Rua General Severiano, 170, Botafogo, Rio de Janeiro, RJ)

2ª feira, 25 de outubro: Auditório B1| Ed. Frings – PUC (Rua Marques de São Vicente, 225, Gávea, Rio de Janeiro, RJ)

Católicos, voltem para casa.

Posted in espiritualidade, Identidade, Senso Religioso, Unidade / Pluralidade on 20/09/2010 by ehlsinore

2005, Papai Noel em depressão; 2009, Natal na Terra de Ninguém

Posted in Cultura, Educação, espiritualidade, Estado e Igreja, Identidade, Iniciativas pela Paz, Liberdade Religiosa, Manifestações Religiosas, preconceito e discriminação, Senso Religioso, Unidade / Pluralidade with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 28/11/2009 by ehlsinore

"Papai Noel Depressivo" de Dennis Cox. A imagem ilustrativa não faz parte do artigo original ao lado

Papai Noel em depressão

“Quem, no Brasil, convidado a assistir a um show de Natal com elenco amador numa igreja evangélica de província, seria louco o bastante para ir lá com a expectativa de encontrar um espetáculo artisticamente relevante? Pois bem, acabo de sair da Assembléia de Deus do West End de Richmond, Virginia, ainda mal refeito de um choque cultural. Sincerely Yours, comédia musical natalina com script de Kathy Craddock baseado numa idéia de Pat Bragg e equipe, música e regência de Ron Klipp e direção de Bob Laughlin, é um espetáculo digno da Broadway, mais caprichado do que tudo o que já vi nos palcos brasileiros. São mais de duzentos atores cantando, dançando e fazendo acrobacias, numa coreografia complexíssima dirigida por mão certeira. A platéia vibra com a ação rápida, e a música entusiasticamente alegre se impregna na sua alma deixando uma impressão inesquecível.

SÁTIRA – O enredo é uma sucessão de situações cômicas absurdas, no melhor estilo Frank Capra, concebidas a partir da pergunta: como reagiria Papai Noel (Santa Claus, para os americanos) diante da atual campanha dos ateus, materialistas e anticristãos para escorraçar o Natal da vida pública? Sátira de um conflito muito real que põe em risco o destino de toda a sociedade americana, a história começa na véspera do Natal, com os ajudantes do velhinho, na maior excitação, enchendo o trenó de presentes e esperando a partida para mais uma viagem através do mundo. Mas o chefe não aparece: está trancado em casa, mortalmente deprimido, diante de uma pilha de cartas de meninos e meninas modernizados, insolentes, que desprezam o nascimento de Jesus e só querem saber de brinquedos caros – um deles prefere até sua parte em dinheiro. Um show de egoísmo e insensibilidade. Dar presentes, nessas circunstâncias, só serve para fomentar a vaidade e o orgulho. Sentindo-se um corruptor involuntário da infância, Papai Noel se condena: “Todo o trabalho da minha vida foi um tiro que saiu pela culatra”.

DOUTORZINHO – A sra. Claus tenta animá-lo, juntando um grupo de crianças para fazer uns afagos no ego do velho, mas as crianças só dão gafes freudianas e reforçam a impressão de que a infância está mesmo estragada. Erguendo placas para formar o nome “Santa”, conseguem até trocá-lo por “Satan”. Papai Noel afunda no total desespero. A esposa, atendendo à sugestão de tagarelas da vizinhança, vai ao cabelereiro se embonecar toda para ver se desperta algum ânimo no marido, mas enquanto isso ele é removido a um hospital pelo Social Security. Em vão ele protesta que não há nada de errado com ele, que o problema é com as crianças. Em cenas de uma comicidade alucinante, o paciente é submetido a todas as humilhações radiológicas, dietéticas, sexológicas e psiquiátricas de que é capaz a medicina moderna, personificada num doutorzinho de dez anos de idade. Quando volta, com a bunda doendo das injeções, Santa Claus nem repara no penteado da mulher, que então lhe passa um sabão em regra, acusando-o de ter perdido seu antigo entusiasmo visionário e se transformado num egoísta senil, rabugento, intoxicado de autopiedade, como o Scrooge de Conto de Natal de Dickens (leitura proibida em escolas “politicamente corretas”). Quanto mais ela fala, mais o marido piora. No fim, ele está decidido: não vai a parte alguma, as crianças do mundo que se danem. A sra. Claus resolve então entregar ela própria os presentes, mas os ajudantes não parecem considerá-la muito convincente nas funções de Papai Noel.

CONSPIRAÇÃO – Nesse ínterim, um investigador nomeado pela comunidade descobre que por trás de tudo há uma conspiração para desmoralizar o Natal sob argumentos hipócritas. A trama vem de uma ONG internacional do crime que reúne os piores tipos de todos os tempos: Lex Luthor, o Pinguim, Cruela, a Rainha Malvada, o Capitão Gancho e outros da mesma laia – uma caricatura cruel da ACLU, a União Americana dos Direitos Civis, cujo nome encobre uma quadrilha de puxa-sacos de Saddam Hussein, Bin Laden, Fidel Castro e Hugo Chávez, empenhados em proibir árvores de Natal, monumentos religiosos e qualquer menção pública ao nome de Deus (exceto, é claro, para os muçulmanos). Só que os bandidos da peça foram mais inteligentes que a ACLU: em vez de atacar diretamente o Natal, empreenderam contra ele uma campanha de desinformação, trocando as cartas de crianças para Papai Noel por mensagens forjadas para desorientar o velhinho.

Mas, antes mesmo que lhe chegue a revelação da trama, ele recebe uma carta atrasada, que escapou à falsificação geral. O remetente, Aaron Williams, de Richmond, Virginia, não quer nada para si: pede apenas algum consolo para sua mãe, entristecida pela morte de um cãozinho doméstico. Ao ler as palavras de despedida, “Sincerely yours“, “sinceramente seu”, Papai Noel se dá conta de que o sentido do Natal não está perdido enquanto subsistir numa só alma viva. É a lembrança de um Deus que se oferece em sacrifício a cada pessoa numa mensagem de amor: “sincerely yours“. Reencorajado pelos bons sentimentos do menino, ele já começa a voltar atrás na sua recusa de viajar, quando chegam os mensageiros do detetive e, contando tudo, lhe mostram que, por trás da imagem de um mundo totalmente materialista e descristianizado, fabricada de propósito pelos conspiradores para denunciá-la em seguida e culpar o capitalismo, ainda existem milhões de Aarons Williams. O sr. e a sra. Claus partem então para entregar os presentes, e a primeira casa em que param é, evidentemente, a de Aaron. Junto à cama do menino adormecido há um presépio que se transfigura em realidade. Jesus Cristo está nascendo naquele momento.

Já é o terceiro Natal em que a Assembléia de Deus do West End, com uma nova peça a cada ano, mostra o poder da sua inventividade teatral e musical. Vale a pena uma espiada no site do grupo, http://www.gloriouschristmasnights.com”(*).

(Olavo de CARVALHO, Diário do Comércio, 05/XII/2005)**

Observações nossas ao artigo acima

(*) Natal na Terra de Ninguém – No endereço indicado achar-se-á a produção da performance natalina da West End Assembly of God para 2009, No Man’s Land (Trégua de Natal), produção épica inspirada na armistício informal, pois sem o consentimento do Alto Comando de cada exército, ocorrido no front ocidental, no Natal do primeiro ano da I Grande Guerra (1914) entre soldados franceses, belgas, britânicos e alemães, quando as trincheiras e os fogos de artilharia cederam à troca de presentes e às partidas de futebol embalados por um multilingue Noite Feliz (veja artigo sobre o evento em Grandes Guerras e nos Arquivos do “The Times matéria publicada no jornal londrino em 01jan1915 sobre o ocorrido).

Charge da época alusiva ao surpreendente armistício natalino de 1914.

** Vide em “comentário” abaixo.

E o Rio foi escolhido pra sediar os Jogos de 2016!

Posted in Consumidor, Cultura, Diversidade, In Corpore Sano, Inclusão Social, Iniciativas pela Paz, Patrimônio, Unidade / Pluralidade with tags , , , , , , , , , on 04/10/2009 by ehlsinore

Rio 2016 candidate city

Temos agora uma nova e séria responsabilidade perante o mundo e perante nós mesmos.  Um dos itens do projeto, o qual foi reiteradas vezes indicado como fator a favorecer nossa candidatura, acoplados às obras de infra-estrutura para os Jogos, são os investimentos sociais dos quais a cidade do Rio de Janeiro tanto necessita.  Se um saldo positivo dos Jogos Panamericanos ficou, outro negativo dele também foi oriundo, inclusive no modo como os gastos foram conduzidos.

Afastemos os erros e fiquemos com os acertos, e estejamos atentos para as necessárias cobranças de modo a usufruirmos o melhor dessa oportunidade para o benefício do nosso povo, em especial os mais necessitados!

O vídeo no post abaixo pode ser visto na página oficial da candidatura da cidade do Rio de Janeiro como sede para os Jogos de Verão Olímpicos e Paraolímpicos em 2016: http://www.rio2016.org.br

Na barra lateral, página com vídeo oficial sobre o projeto das obras para os Jogos de 2016.

This is a video from the official website of the candidature of Rio de Janeiro to host the 2016 Summer Olympic Games.

Este es un video del sitio oficial de la candidatura de Río de Janeiro para recibir los Juegos Olímpicos de Verano de 2016.

Este é um vídeo do site oficial da candidatura do Rio de Janeiro a receber os Jogos Olímpicos de Verão de 2016.

Il s’agit d’une vidéo du site officiel de la candidature de Rio de Janeiro de 2016 accueillir les Jeux Olympiques d’Été.