Arquivo de Comunhão e Libertação

VIA SACRA 2015 Comunhão e Libertação (Rio de Janeiro, RJ)

Posted in Manifestações Religiosas, Senso Religioso with tags , , , , , on 31/03/2015 by ehlsinore

Filipeta Via Sacra CL2015

12 de outubro: Nossa Senhora da Conceição Aparecida, padroeira do Brasil, e 4 de outubro: São Francisco de Assis

Posted in espiritualidade, Manifestações Religiosas, Santidade with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 12/10/2010 by ehlsinore

A cantora Joanna, em Aparecida do Norte (12/X/2002), grava ao vivo o cd e o dvd “Joanna em Oração”, onde interpreta a canção

Viva a Mãe de Deus e Nossa

Chegada da romaria dos universitários do movimento católico Comunhão e Libertação à Basílica de Nossa Senhora da Conceição Aparecida em 19/VII/2009

Roberto Carlos e Luciano Pavarotti cantam juntos, em italiano, AVE MARIA (Rio Grande do Sul, Brasil, 6 de abril de 1998).

Ao som da “Romaria” composta por Renato Teixeira em homenagem à Senhora de Aparecida e cantada aqui pelo própriocompositor, a singela homenagem de Ruth Menezes aos romeiros de São Francisco das Chagas em Canindé, Ceará, destino da 2ª maior peregrinação no mundo devotada a São Francisco (superada apenas pela peregrinação em direção a Assis, na Itália, terra natal do Santo). Na semana de 26 de setembro a 4 de outubro (dia de São Francisco), cerca de 2,5 milhões de pessoas visitam a cidade.

Em 1775, o sargento-mor português, Francisco Xavier de Medeiros, estabeleceu-se às margens do Rio Canindé, e logo depois iniciou a construção de uma capela em honra a São Francisco das Chagas, que é o marco histórico e religioso de Canindé.

Esta capela ficou pronta em 1796 e a primeira imagem de São Francisco, que veio de Portugal, é mais conhecida como São Francisquinho.

A denominação original da cidade era “São Francisco das Chagas do Canindé” até o ano de 1914, quando passou a chamar-se simplesmente “Canindé”.

A “Romaria a Canindé” ou “A festa de São Francisco” é uma das festas religiosas mais antigas do Ceará. Nela, ainda hoje é conduzida solenemente a imagem antiga de São Francisco, mais conhecida como São Francisquinho, a qual remonta aos começos da construção da capela em 1775, senão à época anterior, na tradicional procissão do dia 4 de outubro.

Segundo a tradição, em 1796 o célebre missionário capuchinho Frei Vital de Frascarolo teria intervido em favor da aquisição de uma segunda imagem, maior, que chegou no ano seguinte e acha-se atualmente no Altar-Mor da Basílica. A cidade possui também a maior estátua de São Francisco de Assis do mundo, medindo 30,25 metros de altura.

Paixão pela liberdade e pelo bem comum

Posted in Bento XVI, Eleições, Eleições Brasil 2010, Luigi Giussani, Papado, Senso Religioso with tags , , , , on 23/09/2010 by ehlsinore

Panfleto do Movimento Católico COMUNHÃO E LIBERTAÇÃO sobre as eleições de 2010

"Cristo ensina Nicodemus" de Jacob Jordaens (1593-1678).

“O difundir-se de um relativismo cultural confuso e de um individualismo utilitarista e hedonista enfraquece a democracia e favorece o domínio dos poderes fortes. É preciso recuperar e revigorar uma sabedoria política autêntica; ser exigente no que se refere à própria competência; servir-se criticamente das pesquisas das ciências humanas; enfrentar a realidade em todos os seus aspectos, indo além de qualquer reducionismo ideológico ou pretensão utópica; mostrar-se aberto a todo o diálogo e colaboração autênticos, tendo presente que a política é também uma complexa arte de equilíbrio entre ideais e interesses, mas sem jamais esquecer que a contribuição dos cristãos só é decisiva se a inteligência da fé se torna inteligência da realidade, chave de juízo e de transformação.”

(Bento XVI, Pontifício Conselho para os Leigos, 21/05/2010)

“As circunstâncias pelas quais Deus nos faz passar são fator essencial e não secundário da nossa vocação, da missão a que Ele nos chama. Se o cristianismo é anúncio do fato de que o Mistério se encarnou num homem, a circunstância pela qual alguém toma posição a esse respeito, frente a todo o mundo, é importante para a própria definição do testemunho.”

(Luigi Giussani, L’uomo e il suo destino. Gênova, Marietti, 2002, p. 63)

Cada circunstância é uma provocação que nos solicita a considerar o que temos de mais caro na nossa vida.

Por causa disso, tudo nos interessa! Também a política, que é o instrumento que os homens têm para juntos alcançarem o bem comum, o bem para todos.

Busquemos nestas eleições reacender esse desejo de bem primeiro em nós, cada vez mais tomados pelo

Ícone bizantino da Santíssima Trindade

individualismo. E depois trabalhemos para construir relacionamentos com pessoas (políticos e não) que procurem esse mesmo horizonte, que sejam pessoas desejosas de servir a um povo e não aos próprios interesses.

A primeira vitória nestas eleições é que comece em nós uma inquietação – um não ficar tranquilos – não causada pela raiva ou pelo mal-estar decorrente da falta de uma classe política adequada, mas pelo desejo de que os homens possam encontrar uma experiência de bem. Que esse desejo nos coloque ao trabalho pessoalmente, não delegando-o a outros, mas construindo onde quer que estejamos um pedaço de mundo novo.

1) Não pedimos a salvação à política, não é aí que buscamos a esperança para nós e para os outros. A tradição da Igreja sempre indicou dois critérios ideais para julgar qualquer autoridade civil e qualquer proposta política:

a.  A libertas Ecclesiae. Um poder que respeita a liberdade de um fenômeno tão sui generis como a Igreja é também tolerante com qualquer outra autêntica agregação humana. O reconhecimento do papel público da fé e da contribuição que ela pode dar no caminho dos homens é, portanto, garantia de liberdade para todos, não só para os cristãos.

b.  O “bem comum”. O poder, como serviço ao povo, defende as experiências nas quais o desejo do homem e a sua responsabilidade podem crescer em função do bem comum, através da construção de obras sociais e econômicas, segundo o princípio da subsidiariedade, sabendo que nenhum programa poderá garantir a realização do bem comum em termos definitivos, por causa do limite intrínseco a toda tentativa humana.

2) Por essa razão, damos nossa preferência a quem promove uma política e modo de ser do Estado que favorece a “liberdade” e o “bem comum”, e que por isso pode sustentar a esperança do futuro, defendendo a vida, a família, a liberdade de educar e de realizar obras que encarnem o desejo do homem. Fazemos isso num momento histórico que exige não desperdiçar o voto, para não acrescentar mais confusão ao que já está confuso.

Pantocrator da Univap, em São José dos Campos, inspirado no tímpano de Vezelay, da França, ladeado pelos pássaros da mata atlântica (inspirados nas ilustrações de Frederico Lencioni) encontrados na região do Vale do Paraíba, 2003.

16 de Maio: Dia Mundial de Solidariedade ao Papa

Posted in Bento XVI, Manifestações Religiosas, Papado with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 16/05/2010 by ehlsinore

Queremos unir-nos visivelmente ao redor de Bento XVI, como filhos juntos do pai, desejosos de sustentá-lo em seu ministério, exprimindo afeto e gratidão pela sua paixão por Cristo e pela humanidade inteira”, esclarece Dom João Carlos Petrini, bispo auxiliar da arquidiocese de Salvador (BA) ao externar o convite das Associações e Movimentos Eclesiais p/ o Ato de Solidariedade ao Papa Bento XVI, a ocorrer no Terreiro de Jesus, mais exatamente na Catedral Basílica da capital bahiana, a partir das 10 horas desta manhã de 16 de maio, domingo da solenidade da Ascensão de Nosso Senhor Jesus Cristo, em sintonia com outras cidades e dioceses por todo o mundo.

A demonstração de apoio conjunta atende a um convite direto de Roma, da Consulta Nacional de Associações Laicas (CNAL), a qual reúne 67 organizações, tendo convocado no mês passado para esse dia uma grande manifestação na Praça de São Pedro.

Na arquidiocese do Rio de Janeiro, o Ato será recordado em todas as paróquias, e a principal manifestação ocorre, a partir das 17 horas, na Igreja Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé. Nas palavras do arcebispo Dom Orani João Tempesta, “Vamos celebrar nossa comunhão com Pedro, através do Papa Bento XVI. Estaremos em comunhão com ele e diremos que ele não está sozinho. Rezaremos nessa intenção, com a preocupação de estarmos sempre juntos”.

Católicos podem enviar SMS de solidariedade ao Papa

A iniciativa é de um programa da televisão pública italiana RAI, em meio ao escândalo de abuso sexual de crianças por padres

(Agência AFP, 08/05/2010) O programa religioso semanal da televisão pública italiana RAI anunciou neste sábado a ativação de uma linha telefônica para que os católicos possam enviar mensagens SMS de “solidariedade” ao Papa Bento XVI, em um momento no qual os escândalos de pedofilia afetam a Igreja.

A iniciativa, relacionada com o 16 de maio na Praça de São Pedro, objetiva “demonstrar” a Bento XVI o afeto dos católicos, após a onda de ataques ao Santo Padre buscando responsabilizá-lo pelos casos de pedofilia cometidos por diversos padres.

O número para enviar uma mensagem ao Papa é (**39) 335 18 63 091.

“É realmente uma oportunidade única porque, por meio deste número, todos poderão expressar sua solidariedade, mesmo sem estar presente na Praça de São Pedro”, comentou Rosario Carello, diretor do programa que vai ao ar aos domingos no canal estatal RAI Uno.

O cardeal brasileiro Dom Claudio Hummes, prefeito da Congregação para o Clero, enviou uma carta aos 400.000 padres católicos dos cinco continentes para que “apóiem publicamente o Santo Padre” por ocasião do ato de encerramento do “ano sacerdotal”, que a Igreja celebrará nos dias 9, 10 e 11 de junho.

Itália expulsa marroquinos por suspeita de complô para matar o Papa

(Agência Reuters, 14/05/2010, reportagem de Antonella Cinelli) Dois estudantes marroquinos deportados da Itália no mês passado eram suspeitos de tramar para assassinar o papa Bento 16, disse uma fonte do Ministério Interior italiano na sexta-feira.

Mohamed Hlal, de 26 anos, e Ahmed Errahmouni, de 22, estudantes da Universidade para Estrangeiros na cidade de Perugia, na região central da Itália, ficaram sob vigilância da polícia antiterrorista durante meses antes de serem expulsos no dia 29 de abril.

“Durante a investigação sobre eles, os investigadores encontraram evidência sugerindo que os dois (suspeitos) tramavam um ataque contra o papa”, disse a fonte.

A polícia descobriu um mapa de Turim na casa de Errahmouni com anotações com números e círculos, antes de uma visita do papa Bento 16 à cidade no norte da Itália, no dia 2 de maio, para reverenciar a Mortalha de Turim, que muitos católicos acreditam que tenha sido a mortalha de Jesus Cristo.

O cidadão turco Mehmet Ali Agca, que baleou e feriu com gravidade o papa João Paulo 2o em 1981, também estava matriculado como estudante de línguas na universidade de Perugia.

Ato pró-Bento 16 reúne 150 mil no Vaticano

(Assimina Vlahou, de Roma para a BBC Brasil, 17/05/2010)

Cerca de 150 mil pessoas se reuniram no Vaticano neste domingo para demonstrar solidariedade ao papa Bento 16 após o escândalo provocado pelos casos de abusos sexuais cometidos por sacerdotes.

Grupos de católicos, vindos de diversas cidades italianas, lotaram a Praça de São Pedro, no Vaticano, exibindo diversos cartazes com dizeres como “Sua Santidade, você não está sozinho” e “Não tenham medo, Jesus venceu o mal”.

Durante a manifestação, que ocorreu pouco antes do meio dia, os fiéis rezaram pelas vitimas de abusos sexuais cometidos por religiosos e por suas famílias e pediram que a Igreja seja purificada através da penitência.

“Não podemos negar que o escândalo existe e é grave, mas o Papa não respondeu impulsivamente, como as pessoas fariam. Ele está se comportando como um pai”, disse um dos manifestantes.

“Estamos aqui para pedir que Deus preserve o Papa e que nada nos afaste dele. Estes escândalos fazem sofrer, mas isto não nos impede de estar próximo ao papa. Ao contrário, nos aproxima cada vez mais dele”, disse outra manifestante.

Pecado

O Papa agradeceu as manifestações logo após a oração do Regina Coeli e afirmou: “O verdadeiro inimigo que devemos temer e combater é o pecado, o mal espiritual que às vezes, infelizmente, contagia os membros da Igreja. Vivemos no mundo, mas não somos do mundo. Não devemos temer o mundo, embora tenhamos que nos defender de suas seduções. Devemos, no entanto, temer o pecado e por isto ser fortemente enraizados em Deus, no bem, no amor e no serviço”.

(Para matéria completa do ato realizado em Roma: clicar na foto, acima, da manifestação)